.

.

31 de jul de 2011

ULTRALEVE CAINDO

Incrí­vel decolagem e pouso em poucos metros

POUSO EM CIMA DE UM FURGÃO

POUSO EM UM PORTA AVIÕES

POUSO INCRÍVEL



POUSOS EM SAINT MARTEEN

AEROPORTO PRINCESA JULIANA





DECOLAGENS DIVERSAS



30 de jul de 2011

OS BLUE ANGELS








O Esquadrão de Demonstração Aérea da Marinha da Marinha dos Estados Unidos da América, popularmente conhecido como Blue Angels, foi formado em 24 de abril de 1946 e é o primeiro time do mundo de acrobacia aérea e demonstração militar aérea sancionado.
Originalmente, o time era composto por três aeronaves por formação, passou para quatro, e atualmente opera com seis aeronaves por apresentação. Há ainda uma sétima aeronave para suporte, no caso de um eventual problema mecânico em alguma outra das aeronaves. São divididos em dois grupos: o primeiro é composto por quatro aeronaves e apresenta formações em baixa velocidade (o grupo "diamante"); o segundo grupo, composto por duas aeronaves, apresenta manobras pouco abaixo da velocidade do som, o que demonstra as habilidades dos F/A-18. No final da rotina, as seis aeronaves reúnem-se para a formação delta.  Após uma série de manobras é executada por fim a manobra flor-de-lis.

Acidentes

Em sua história, 26 pilotos do grupo faleceram em acidentes de apresentação ou treinamento. segundo dados de 2006, já passaram 262 pilotos pelo grupo[2], o que resulta em uma taxa de fatalidade de 10%.

Hawker 800


              





O Hawker 800 é um mid-size bimotor . É um desenvolvimento da British Aerospace BAe 125 , e atualmente está montado pela Hawker Beechcraft .
Em abril de 1981, a British Aerospace Conselho sancionou o programa para melhorar a BAe 125-700 série. Em maio de 1983, o novo avião estava pronto para seu primeiro vôo de teste.

A série 800 tem uma série de modificações e alterações ao longo dos 700, sendo os mais evidentes o pára-brisas do cockpit redesenhado. Que acompanha este são uma carenagem traseira da fuselagem modificadas, bem como um cockpit de vidro e uprated (de 3.700 a 4.300 lb) Garrett TFE731-5R-1H motores. British Aerospace também melhorou a ala, incorporando novas seções de asa exterior. Isso ajudou a reduzir o arrasto e melhorar a eficiência aerodinâmica.

A série 800 se tornaria um sucesso de vendas. Desde o primeiro vôo BAe 125 em agosto de 1961 que levou 19 anos até que a aeronave 500 foi vendido. Em pouco mais de cinco anos a British Aerospace foram registrar a venda 200 da série 800.

Em 1994 Beech Aircraft (que também foi controlada pela Raytheon) fundiu-se com Jets Raytheon Aircraft Corporativa para formar Raytheon. Em março de 2007, a Raytheon Aircraft Company foi vendida a Hawker Beechcraft Corporation, uma empresa formada e controlada por GS Capital Partners (uma afiliada da Goldman Sachs ) e Onex Partners of Canada.

A versão atual é identificado como o Hawker 850XP e foi certificado para operação em março de 2006. O 850XP é idêntico ao 800XP, exceto que inclui winglets que estendeu seu raio de acção de 100 milhas náuticas (190 km). Esta versão também incorpora atualizado aviônicos e um interior redesenhado. O Hawker 850XP, essencialmente, preenche a lacuna deixada pela Hawker 1000, quando a produção dessa aeronave deixou.

Duas novas variantes foram anunciados em outubro de 2006 para entregas futuras:

    O Hawker 750, em que o tanque de combustível ventral é substituído por um pannier bagagem externamente acessado, o que reduz a faixa um pouco.
    O Hawker 900XP, utilizando novas Honeywell TFE731-50BR motores para aumentar o alcance

Design

O Hawker 800 é semelhante ao fuselagens mais modernas, exigindo subconjuntos a serem construídas longe do ponto final de fabricação. As seções da fuselagem, asas e superfícies de controle são fabricados e montados no Reino Unido em uma combinação de facilidade própria Hawker Beechcraft e aqueles de propriedade da Airbus UK , que herdou grande parte da BAE Systems 's capacidade civil de aeronaves de fabricação. Essas seções estão parcialmente equipados e instalados com superfície de controle e os principais sistemas antes de serem enviados para o site Hawker Beechcraft de fabricação principais no Wichita, Kansas para a montagem final, equipamento e testes.

Variantes Militar

A versão militar do Hawker 800 está em uso por Coréia do Sul para a tática de reconhecimento , vigilância e SIGINT (Inteligência de sinais) tarefas, e 8 aeronaves especialmente equipadas foram entregues em 2000. A República da Coreia, da Força Aérea chama-RC-800s, e eles são baseados em Seongnam .

Japão usa um marítima de busca e salvamento variante do Hawker 800. É designada U-125A no Japão Força Aérea de Autodefesa do serviço. Esta variante tem janelas de observação grandes, um reflexo e marcador de bóia sistema dispensador, jangadas salva-vidas e equipamentos de sistema de emergência e prevenção de queda de água melhorada sal corrosão. O avião também tem uma Toshiba radar de busca de 360 graus, Melco equipamento de imagem térmica e outros equipamentos de comunicação militar para a sua missão.

Características gerais

    Tripulação: 2 pilotos
    Capacidade: 8 passageiros no máximo, típico 13
    Comprimento: 51 pés 2 (15,6 m)
    Envergadura : 54 ft 4 in (16,5 m)
    Altura: 18 pés em um (5,5 m)
    Peso vazio : £ 15.670 (7,108 kg)
    Peso máximo de decolagem : 28.000 lb (12,701 kg)
    Powerplant: 2 × Honeywell TFE731-5BR turbofan, 4660 lbf () cada

Execução

    Velocidade máxima : 448 kts (514 mph) 830 kmh
    Velocidade de cruzeiro : 402 kts (463 mph) 745 kmh
    Faixa : 2,642 nm (4,893 km)
    Teto de serviço : 41.000 pés (12.497 m)


27 de jul de 2011

AIRBUS A340-300












O Airbus A340 é um avião civil de passageiros de longo alcance e larga fuselagem da Airbus, o consórcio europeu de fabricação de aeronaves. É muito similar ao Airbus A330, mas está equipado com quatro motores em vez de dois. Seu desenvolvimento começou em 1981, quando ainda era chamado de TA11.

O A340 foi lançado em 1987, um avião de longo-alcance, como complemento do A320 de curto-alcance e o Airbus A300 de médio-alcance.

Ele foi desenvolvido juntamente com o Airbus A330, que divide a mesma estrutura da asa e fuselagem, e o mesmo conceito tecnológico do A320 conhecido como fly-by-wire. Em vez de manches como os que aparecem nos aviões da família Boeing, o Airbus A340, possui dois side-stick, um no lado direito para o co-piloto e um na esquerda para o piloto.

Com o lançamento do Boeing 777 em 1994, o Airbus A340 ganhou um concorrente à altura, o que fez a Airbus desenvolver novas versões do A340, lançando em 2001 o A340-500 e o A340-600.
Há 4 versões do A340, que foram lançadas em duas ocasiões diferentes. O A340-200 e A340-300 foram apresentados em 1987 e o 1º entrou em serviço em 1993. O A340-500, que é o segundo avião com maior alcance atrás do Boeing 777-200LR, e o A340-600, que é o avião mais comprido do mundo, foram lançados em 1997 e introduzidos no mercado em 2002.

Em algumas versões de diversas linhas aéreas, como o A340-600 da Lufthansa, a aeronave pode ter um andar inferior, apenas para lavatórios e armários.

 Airbus A340-200

Uma das versões inciais do A340, ela é a menor, com capacidade para 261 passageiros divididos em 3 classes em alcance de 13,800 km. É equipado com 4 motores CFMI CFM56-5C4. O alcance do avião foi considerado um dos maiores de todos os tempos na época do lançamento, e foi designado para iniciar rotas curtas e longas, especificamente sobre o mar.

A área da asa, é maior do que o comprimento do avião. Somente 28 A340-200 foram produzidos, e a maior detentora do modelo é a South African Airways, tendo 6 unidades. Há outras operadoras que o utiliza, sendo a Aerolineas Argentinas, Air Europa, Royal Jordanian e a Egypt Air. O modelo já não se encontra mais em produção.

Airbus A340-300

O A340-300, tem capacidade para 295 passageiros divididos em 3 classes. Tem alcance máximo de 12,400km, equipado com 4 motores CFMI CFM56-5C similares ao A340-200. Voou pela primeira vez em 25 de outubro de 1991, e entrou em serviço em março de 1993 com a Lufthansa e a Air France.

O A340-300X, é uma versão peso-pesado do A340, e a 1ª operadora desta série do modelo foi a Singapore Airlines, que já não o utiliza mais.

O A340-300E, é a ultima versão do A340-300, e a 1ª operadora deste tipo, foi a Swiss International em 2003. Ele pode ter peso máximo em uma decolagem de 276.5 toneladas, e é equipado com 4 motores CFMI CFM56-5C4s.

De todas as versões do A340-300, a versão -300E, é a unica ainda em produção, com 219 encomendas, e 211 já foram entregues. A maior operadora deste modelo é a Lufthansa com 30.

 Airbus A340-500

O A340-500, foi apresentado como o avião comercial de maior alcance do mundo com autonomia de 16,020 km. Seu 1º vôo foi realizado em 11 de fevereiro de 2002, e a 1ª empresa a utilizar este modelo foi a Emirates. Ele está equipado com 4 Rolls-Royce Trent 553. Tem capacidade de carregar 313 passageiros em 3 classes. Comparado com o A340-300, o -500 tem 4,3 metros a mais na fuselagem, a aérea das asas é maior e possui maior capacidade de carregar combustível. O A340-500/-600 possui câmeras para auxiliar o piloto no momento do taxiamento.

O A340-500HGW (High Gross Weight), versão com alcance de 16,700 km (9,000nm) e MTOW de 380 toneladas. Tem algumas características do A340-600HGW, como reforços estruturais e maior capacidade de carregar combustível. A Kingfisher Airlines planeja usar o modelo para operar vôos da Índia para os Estados Unidos. O A340-500HGW é equipado com 4 turbofan Rolls-Royce Trent 556, com empuxo de 56,000 libras (249 kN).

Em fevereiro de 2006, com o lançamento do Boeing 777-200LR , ele perdeu o posto de avião com maior alcance do mundo.

As operadoras deste modelo são Emirates, Singapore Airlines, Thai Airways International, Etihad Airways e recentemente a TAM.

Operador Brasileiro

O Airbus A340-500 no Brasil é utilizado pela TAM.
Companhia        Quantidade
TAM      02 Aeronaves
TOTAL   02 Aeronaves

 Airbus A340-600

Foi designado para substituir as gerações mais velhas do Boeing 747. Ele tem capacidade de carregar 380 passageiros divididos em 3 classes, ou 419 em duas classes. Se comparado com um A340-300, ele possui 12 metros a mais, o que lhe da o título de aeronave mais comprida do mundo e empata com o Boeing 747-8I, também com 76,40 metros de comprimento.

É provado que ele tem capacidade similar de passageiros a um 747, e com 25% a mais de volume de cargas, e menor custo por passageiro em uma viagem.

Seu 1º vôo ocorreu em 23 de Abril de 2001. A 1ª companhia aérea a utiliza-lo, foi a Virgin Atlantic Airways, e entrou em operação em Agosto de 2002.

O A340-600HGW (High Gross Weight), versão que teve seu 1º vôo em 18 de novembro de 2005, e recebeu o certificado em 14 de abril de 2006, tem um MTOW de 380 toneladas e alcance de 14,600 km (7,900 NM), graças a reforços estruturais, aumento na capacidade de combustível, motores mais potentes e novas técnicas de produção como soldas a laser. O A340-600HGW é equipado com 4 turbofans Rolls-Royce Trent 560 com empuxo de 60,000 lbf (267 kN).

A Emirates iria ser a empresa lançadora do modelo -600HGW quando no Paris Air Show de 2003 encomendou 18 unidades; mas adiou as encomendas por tempo indefinido que posteriormente foram canceladas. A rival Qatar Airways, ocupou as encomendas no mesmo evento , e recebeu a 1ª aeronave em 11 de setembro de 2006.

É operado também pela Qatar Airways, South African Airways, Lufthansa, Iberia Airlines, Etihad Airways, China Eastern Airlines e Thai Airways International. A Hainan Airlines será a nova operadora do A340-600.

26 de jul de 2011

McDonnell Douglas F 15 Eagle



 







O McDonnell Douglas F-15 Eagle é um caça táctico altamente manobrável, que pode operar sob todas as condições atmosféricas, que dota a USAF de superioridade no combate aéreo.

A superioridade do Eagle é conseguida na destreza e aceleração, alcance, armamento e aviónica. O F-15 dispõe de sistemas electrónicos e armamento para detectar, focar, perseguir e atacar aviões inimigos quer em espaço aéreo aliado ou inimigo. Os sistemas de armamento e controle de vôo foram desenhados para que uma única pessoa possa realizar combate ar-ar com segurança e eficácia.

A aceleração e agilidade do F-15 são conseguidas através de dois motores de elevada potência e reduzida carga alar, fatores vitais na capacidade de manobra, permitindo elevada velocidade ascensorial, alto teto operacional, e capacidade superlativa de manutenção de curva sustentada, características favoráveis em combate em altas e médias altitudes.

O sistema aviónico multi-missão inclui um HUD (Head Up Display) que projeta ao nível dos olhos informações de vôo, navegação, aproximação além de informes sintetizados do radar e IFF. Conta ainda com sistema de navegação inercial, instrumentos de vôo, comunicações em VHF e UHF, sistema de combate táctico, e sistema de aterragem por instrumentos. Também comporta um sistema de combate táctico electrónico, montado internamente, e um conjunto de contramedidas electrónicas e computador central.

O versátil sistema de radar de pulso Doppler permite a detecção de alvos a altitudes superiores e inferiores ao avião, sem a confusão observada pela paisagem. Consegue detectar e perseguir aviões e alvos de pequenas dimensões a grande velocidade, a distâncias além do alcance visual, e a altitudes superiores ao nível das árvores. O radar alimenta o computador central com informações sobre o alvo para uma entrega eficaz do armamento. Para lutas frente-a-frente, de curto alcance, o radar automaticamente foca o avião inimigo, sendo esta informação projectada no HUD. O sistema de guerra electrónica do F-15 dispõe de aviso contra ameaça e contramedidas automáticas contra ameaça. Devido à velocidade ascensorial e teto operacional encontrados no F-15, o avião foi batizado de "Nave de guerra das estrelas" por ter sido cogitado como plataforma secundária de armas para o programa Star Wars, (conhecido oficialmente como Strategic Defense Iniciative, durante o Governo Ronald Reagan.

A versatilidade do F-15 permite-lhe também carregar uma vasta variedade de armas ar-ar. O sistema bélico automatizado permite ao piloto realizar combates aéreos com segurança e eficácia, usando o HUD, a aviónica e os controlos do armamento localizados quer na manete do motor ou do controlador de navegação. Sempre que o piloto alterne entre sistemas de armamento será automaticamente visualizado no HUD o respectivo sistema de armas e solução de tiro.

O Eagle pode ser armado com combinações de quatro armas ar-ar: mísseis AIM-7F/M Sparrow, mísseis ar-ar AIM-120 AMRAAM avançados de alcance médio nos cantos inferiores da fuselagem, mísseis AIM-9L/M Sidewinder ou AIM-120 em dois suportes nas asas, e uma metralhadora interna 20 mm Gatling na asa direita.

Outro avião batizado de F-15

    Durante a Segunda Guerra Mundial Northop construiu uma versão não armada do P-61 Black Widow baptizada de F-15 Reporter (F segundo o sistema da Army Air Force então em uso até à instituição da Força aérea dos Estados Unidos em 1947) para fotografia aérea.

 Recorde de baixas

    Em 2000 o F-15, em todas as forças aéreas, agregou um recorde de baixas de 104 alvos abatidos contra zero perdidos no combate aéreo (um F-15J japonês atingiu outro F-15J em 1995 devido a um erro num AIM-9 Sidewinder durante treinos de combate aéreo com armas reais). O F-15E susteve duas baixas provenientes de fogo antiaéreo no Guerra do Golfo em 1991. Um F-15E foi abatido em 2003 na Invasão do Iraque provavelmente devido a fogo antiaéreo.

 No futuro

Prevê-se que o modelo F-15C/D venha a ser substituído pelo F-22 Raptor, embora não se possa determinar o destino destes aviões. Devido às suas características de alta tecnologia é muito provável que se mantenha operacional durante bastante tempo ainda. Em março de 2009, a Boeing apresentou o novo F-15SE Silent Eagle. O primeiro voo foi marcado para 2010.

F-15 SE

O Boeing F-15SE Silent Eagle é uma proposta de atualização do F-15E Strike Eagle da Boeing usando recursos de combate de quinta geração, tais como armas de transporte interno e material absorvente de radar..

 Concepção e Design

Uma versão de demonstração da F-15SE foi exibido pela primeira vez pela Boeing, em 17 de março de 2009. O F-15SE usará tecnologias de combate de quinta geração para reduzir a sua seção transversal do radar (RCS). Características distintas desta versão são os tanques de combustível diminuídos para que as armas fiquem guardadas internamente e as caudas verticais inclinadas 15 graus para fora para reduzir a sua seção transversal de radar. Armazenamento de Armas toma a maior parte da capacidade de cada tanque de combustível. Esta variante também terá material absorvente de radar, quando necessário. O Silent Eagle sevirá os países que já possuem o F-15, como Israel, Arábia Saudita, Japão e Coréia do Sul, entre outros.

O F-15SE tem um nível de Stealth permitida para exportação pelo governo dos EUA. Pela frente está previsto por Ausairpower.net como, eventualmente, ser tão baixa quanto a versão de exportação do F-35 Lightning II. Para referência a secção transversal de radares da não exportação da versão do F-35 da frente é de 0,001 m² (0,011 ft ²). A parte traseira e transversais de radar serão maiores. O F-15SE será Raytheon tem um radar (AESA), e um novo sistema de guerra eletrônica da BAE Systems.

Esta discrição será otimizado para missões ar para o ar e muito menos eficaz contra o chão com radares.

Em março de 2009, a Boeing lançou formalmente o F-15SE Silent Eagle e começou a oferecê-lo para as vendas internacionais. A aeronave é capaz de carregar armas, tanto interna e externa armas hardpoints montado sob cada asa. O F-15SE de menor custo em relação a caças de quinta geração é destinado ao auxílio de recurso da aeronave para o mercado de exportação. A aeronave iria exigir licenças de exportação semelhante ao F-35.

O custo unitário foi estimado pela Boeing em aproximadamente US$ 100 milhões, incluindo as peças sobressalentes e de apoio. A empresa tem buscado outras empresas para a partilha de risco parceiros para reduzir os seus custos de desenvolvimento. Estudos de diferentes níveis possíveis de redução seção transversal do radar (RCS) de redução estão em andamento. Em Junho de 2009, a Boeing afirmou que planeja para um vôo de demonstração da Silent Eagle no terceiro trimestre de 2010.

Em Setembro de 2009, a Arábia Saudita considerou a compra de até 72 F-15 . Embora a variante não é especificado, são relatados para estar interessado no Silent Eagle.

 Características F-15 SE

    Tripulantes: 2
    Comprimento: 19,43
    Envergadura: 13,05
    Altura: 5,63
    Peso vazio: 14.300
    Peso carregado: 36.700
    Motor: 2 × Pratt & Whitney F100-229 turbofans pós-combustão
    Empuxo: 29.000 lbf (129 kN) cada

 Desempenho

    Velocidade máxima: 2660 km/h (Mach 2.5)
    Alcance: 3,900 km
    Teto de serviço: 18.200 m

Armamento

    Canhões: M61A2 20mm
    Misseis AIM-120 AMRAAM, AIM-9M Sidewinder
    Bombas: GBU-39 SDB, GBU-31 JDAM


25 de jul de 2011

BOMBARDIER 415










A Bombardier 415  (anteriormente Canadair CL-415) é um avião canadense de aeronave anfíbias propositadamente construído como um bombardeiro de água . É um avião projetado e construído especificamente para combate a incêndio aéreo e baseia-se na empresa CL-215 barco voador . É comercializado no Estados Unidos como o "Superscooper".
Em 1987, seguindo as tendências do mercado no sentido mais eficiente, poderosa e confiável turboélice powerplants, Canadair assumiu a tarefa de adaptação de uma série CL-215 fuselagens (17) com a Pratt & Whitney Canada PW123AF motores, proporcionando um aumento de potência de 15% sobre o original motores de pistão . A aeronave adaptada foram designados CL-215T e também contou com muitos aerodinâmica melhorias e sistemas, incluindo controles de vôo motorizado, cockpit de ar condicionado, bem como atualizado elétrica e sistemas de aviónica. As características mais notáveis ​​externa do retrofit CL-215T foram as adições aerodinâmica ao asas e empenagem .

Baseado no sucesso do CL-215, a empresa introduziu o CL-415, uma nova-build início de produção em série em 1993. O 415 tem um cockpit atualizado, melhorias aerodinâmicas e mudanças no sistema de liberação de água, bem como, a criação de uma moderna de combate a incêndios barco anfíbio voando para uso em detectar e suprimir os incêndios florestais .

Comparado com o CL-215, o 415 aumentou de peso e velocidade de operação, gerando maior produtividade e desempenho. O 415 pode colher até 6.140 litros (1350 ou 1620 imperial gal gal EUA) de água de uma fonte de água próxima, misturá-lo com uma espuma química, se desejado, e solte-o em um fogo sem ter que retornar à base para reabastecer seus tanques . O 415 foi desenvolvido especificamente para proporcionar a capacidade de fornecer grandes quantidades de suppressant em resposta rápida aos incêndios. O avião é construído para a confiabilidade e longevidade, com o uso de materiais resistentes à corrosão. O 415GR novo pesos operacionais mais elevados, enquanto a Bombardier 415 multi-função está disponível para uso em um paramilitares de busca e salvamento e transporte papel de utilidade.

O 415 está montado nas instalações da Bombardier Aerospace perto North Bay / Jack Garland Aeroporto em North Bay Ontario, onde os aviões podem ser vistos ocasionalmente testes em Nipissing Lake.

História Operacional

O "415" voou pela primeira vez em 6 de dezembro 1993 com as primeiras entregas em novembro de 1994 . [2] Ordens de muitos países logo em seguida. Derivada de apelido do seu antecessor, ele adquiriu o nome, "Super Scooper" à luz do seu desempenho muito maior como um bombardeiro de água e arma de fogo suppressant. Em reconhecimento de suas habilidades nas tarefas perigosas, mas necessárias de combate a incêndios, a aeronave recebeu o prestigioso Batefuegos de oro (ouro extintor de incêndio). A citação do prêmio, em parte, ler "Esta é a ferramenta mais eficiente para o combate aéreo de incêndios florestais, a chave para a organização de combate a incêndio em um grande número de países. A melhoria contínua para atender às necessidades de combate a incêndios florestais fizeram essas aeronaves a antena significa maior demanda ao longo de mais de 30 anos. "

Da construção de 76 anos, sete foram removidos do serviço devido a acidentes.

A aeronave requer 1.340 m de área flyable a descer de 15 m de altitude, colher 6.137 litros de água durante uns 12 segundos 410 m de comprimento correr sobre a água, depois subir de volta a 15 m de altitude. Segundo o site da Bombardier, [5] a 415 leva "12 segundo, viajando a 130 km / h (70 nós) e 410 metros (1.350 pés), para recolher um 6137 litros de carga de água (1621-US-galão) ... O avançado Bombardier 415 aeronaves colheres de água a partir de sites que são apenas dois metros (6,5 pés) de profundidade e 90 metros (300 pés) de largura. Quando o site de água é muito pequena para um total de pick-up, a Bombardier 415 leva um carga parcial e retorna para o fogo. A Bombardier 415 de anfíbios não precisa de um caminho reto escavar. Desde a aeronave ainda está em "voando" enquanto modo de escavar, os pilotos podem facilmente manobrar nas curvas do rio ou obstáculos visíveis na água. "



EMBRAER T-27 TUCANO












O Embraer EMB-312 Tucano é um avião turbohélice de treinamento e ataque leve, desenvolvido e fabricado pela empresa brasileira Embraer. Seu primeiro voo ocorreu em 1980, com as primeiras unidades entregues em 1983.

Designado na Força Aérea Brasileira (FAB) como T-27, foi destinado ao treinamento avançado no 1º EIA (Esquadrão de Instrução Aérea, esquadrão Cometa)de cadetes aviadores do 4o ano da Academia da Força Aérea Brasileira, localizada em Pirassununga, município do Estado de São Paulo.

Também foi utilizada como aeronave leve de ataque sendo designada de AT-27. A FAB encomendou 133 aeronaves.

Avião moderno com assentos em tandem (assento de trás mais alto que o da frente), foi um dos maiores sucessos da Embraer, com produção superior a 600 unidades.

É a aeronave utilizada pelo Esquadrão de Demonstração da Força Aérea Brasileira (Esquadrilha da fumaça).

Principais utilizadores do modelo padrão

    Brasil: 109 unidades (de 151 unidades recebidas)
     Egito: 14 mais 40 unidades produzidas sob licença pela Helwan.
    Argentina: 30 unidades.
    Honduras: 12 unidades.
     Irã: 15 unidades. (de 50 unidades recebidas)
    Paraguai: 6 unidades.
     Peru: 30 unidades (6 unidades revendidas a Angola).
     Venezuela: 31 unidades.
     Colômbia: 14 unidades.

Especificações (EMB 312 Padrão)

    Motor: Pratt & Whitney Canada PT6A-25C de 750 shp
    Velocidade Máxima: 448 km/h
    Velocidade de Cruzeiro: 319 km/h
    Teto de Serviço: 9.144 m
    Alcance: 2.055 km
    Envergadura: 11,14 m
    Altura: 3,40 m
    Bitola: 3,76 m
    Comprimento: 9,86 m
    Peso Vazio: 1.810 kg
    Peso Básico: 2520 kg (dois pilotos, óleo, fluido hidráulico e tanques cheios)
    Peso Máximo de Decolagem: 3.175 kg
    Peso Máximo de Aterragem: 2800 kg
    Armamento: 4 pilones sob as asas podendo carregar casulos de metralhadoras 12,7mm, foguetes e bombas.

PIPER PA-28 CHEROKEE












O Piper PA-28 Cherokee é uma família de  aeronave projetada para treinamento de vôo, táxi aéreo, e uso pessoal.  Ele é construído pela Piper Aircraft .  
Todos os membros da família PA-28 são todos de metal, sem pressão, um único motor, pistão-powered aviões com  asas  baixas e trem de pouso triciclo . Todos eles têm uma única porta no lado do co-piloto, que é introduzido através de um reforço na asa.

O primeiro PA-28 recebeu o seu certificado de tipo da FAA em 1960 , ea série continua em produção até hoje. Os modelos atuais são o Arqueiro  e Archer TX.  O Arqueiro foi descontinuado em 2009, mas com o investimento dos novos proprietários Imprimis Piper, foi colocado novamente em produção em 2010.

A série PA-28 compete com o Cessna 172 , o Grumman americana AA-5 série , e os Beechcraft Musketeer .

Piper criou variações dentro da família Cherokee pelos motores de instalação varia entre 140 e 300 hp (105-220 kW), fornecendo turbo , oferecendo trem de pouso fixo ou retrátil, de passo fixo ou hélices velocidade constante , e alongamento da fuselagem para acomodar 6 pessoas . Os maiores, variante de seis sede do PA-28 é geralmente o PA-32;. Versões anteriores eram conhecidos como os "Cherokee Six", e uma versão PA-32 chamou a Saratoga estava em produção até 2009.

Desenvolvimento

No momento da introdução do Cherokee, principal Piper monomotor, todas as aeronaves de metal foi o Piper PA-24 Comanche , uma aeronave maior, mais rápido com o trem de pouso retrátil e uma hélice de velocidade constante. Karl Bergey, [10] Fred Weick e John Thorp projetou a Cherokee como uma alternativa menos dispendiosa para a Comanche, com menor custos de fabricação e peças para competir com o Cessna 172 , apesar de algumas Cherokees mais tarde também contou com engrenagem retrátil e de velocidade constante hélices.

As linhas de Cherokee e Comanche continuou em produção paralela servir diferentes segmentos de mercado por mais de uma década, até que a produção Comanche foi encerrada

Os Cherokees eram os originais Cherokee Cherokee 150 e 160 (PA-28-150 e PA-28-160), que iniciou a produção em 1961 (salvo indicação em contrário, o número do modelo sempre se refere a cavalos de potência). [1]

Em 1962, Piper Cherokee, acrescentou o 180 (PA-28-180) alimentado por uma potência de 180 (134 kW) Lycoming O-360 motor. O poder extra tornou prático para voar com todos os quatro assentos ocupados (dependendo do peso de passageiros e de carga de combustível), eo modelo continua a ser popular no mercado usado avião. [1] Em 1968, o cockpit foi modificado para substituir o push " -pull "controles do motor estilo com alavancas. Além disso, uma terceira janela foi adicionado em cada lado, dando a fuselagem do visual mais moderno visto na produção atual.

Piper continuou a expandir a linha rapidamente. Em 1963, a empresa introduziu o Cherokee ainda mais poderoso 235 (PA-28-235), que competiu favoravelmente com o Cessna 182 para transporte de carga de capacidade. O Cherokee 235 apresentava um Lycoming O-540 motor de potência reduzida para 235 cv (175 kW) e um longo ala que viria a ser usado para o Cherokee Six. Incluiu tanques ponta de 17 litros de capacidade cada, elevando a capacidade total de combustível do Cherokee 235-84 galões. [1] A aeronave teve sua fuselagem estendida, em 1973, dando espaço para as pernas muito mais na parte traseira. A área foi stabilator também aumentou. Em 1973, o nome comercial foi alterada de "235" para o carregador. Em 1974, foi alterada novamente para Pathfinder. Produção do Pathfinder continuou até 1977. Não havia 1978 anos modelo. Em 1979, a aeronave foi entregue a ala Piper cônico e foi novamente rebatizado de Dakota.

Em 1964, a empresa preencheu a extremidade inferior da linha com o Cherokee 140 (PA-28-140), que foi projetado para o treinamento e inicialmente fornecido com apenas dois assentos. [1] Uma fonte de confusão é o fato de que o PA-28-140 motor foi ligeiramente modificada logo após a sua introdução para produzir 150 cavalos (112 kW), mas manteve o nome -140.

Em 1967, introduziu o Piper PA-28R-180 Cherokee seta. Esta aeronave apresentava uma hélice de velocidade constante, trem de pouso retrátil e era alimentado por uma potência de 180 (134 kW) Lycoming IO-360-B1E motor. A 200-hp (149 kW) versão alimentado por um motor Lycoming IO-360-C1C foi oferecido como uma opção de início em 1969 e designou o PA-28R-200;. O modelo de 180 cv foi abandonada depois de 1971.  No Seta o tempo foi introduzido, Piper Cherokee removeu a 150 e 160 Cherokee da produção.

A seta II saiu em 1972, apresentando um trecho da fuselagem de cinco polegadas para aumentar espaço para as pernas para os passageiros do banco traseiro.  Em 1977, Piper introduziu o III Arrow (PA-28R-201), que contou com um semi-cônico asa e mais stabilator, uma característica de projeto que tinha sido previamente introduzido com sucesso na PA-28-181 e desde que melhor manuseio de baixa velocidade. Ele também contou com grandes tanques de combustível, aumentando a capacidade de 50-77 litros.

O primeiro modelo turbo, o PA-28R-201T também foi oferecido em 1977, alimentado por um seis cilindros Continental TSIO-360-F motor equipado com um turbocompressor Rajay. Uma hélice de três pás era opcional.

Em 1979, a Seta foi re-estilizado novamente como o PA-28RT-201 Seta IV, com um "T" cauda que se assemelhava ao de outras aeronaves da linha Piper na época.

Em 1971, Piper Cherokee 140 lançou uma variante chamada de Cruiser Cherokee 2 +2. Embora o avião continuava a designação 140, que era, de fato, uma potência 150 (110 kW) de avião, e enviado principalmente como uma versão de quatro lugares. Em 1973, os 180 Cherokee foi nomeado o Challenger Cherokee, e teve sua fuselagem alongada ligeiramente e alargou suas asas, eo Cherokee 235 foi nomeado o carregador com modificações estrutura similar.   Em 1974, Piper mudou os nomes de marketing de alguns dos renomeando os modelos Cherokee novamente, o Cruiser 2 +2 (140) simplesmente Cruiser o, o Challenger da Archer (modelo PA-28-181) e do Charger (235) para Pathfinder.

Piper Cherokee reintroduziu a 150 em 1974, rebatizando-o de Guerreiro Cherokee (PA-28-151) e dando-lhe corpo esticado o arqueiro e uma nova ala semi-cônico.

Em 1977, Piper parou de produzir o Cruiser (140) e Pathfinder (235), mas introduziu uma nova potência 235 (175 kW) de avião, o Dakota (PA-28-236), com base no Cherokee 235, com carregador, modelos Pathfinder, mas com a asa semi-cônico novo.

O PA-28-201T Turbo Dakota seguiu a introdução do Dakota PA-28-236, em 1979. A fuselagem era essencialmente o mesmo que um equipamento fixo Seta III e foi alimentado por um turbo- Continental TSIO-360-FB motor produzindo 200 hp (149 kW). A aeronave não vendeu bem ea produção terminou em 1980.

Em 1978, Piper atualizado o Guerreiro para 160 cv (119 kW) PA-28-161, mudando seu nome para Cherokee Warrior II. Esta aeronave tinha melhorado ligeiramente carenagens roda aerodinâmica. Modelos mais recentes da II Warrior, fabricados após julho de 1982, incorporar um aumento de peso bruto de £ 2.440, dando uma carga útil de mais de 900 quilos. Este mesmo avião, agora disponível com um cockpit de vidro , estava disponível como o III Warrior, e era comercializado como uma aeronave de treinamento.

PIPER PA-18 SUPER CUB









O Piper PA-18 é um avião monomotor, com trem de aterragem fixo, roda de cauda, asa alta, bilugar, que possui dois assentos na maioria das configurações.

Construiram-se mais de 2 unidades deste modelo. Ideal para recreio, muitos aeroclubes são possuidores deste tipo de aparelho. Militarmente, foi utilizado pelos Forças Armadas dos Estados Unidos, a partir de 1943, no Norte de África e na Europa como avião de ligação e na correcção de tiro da artilharia.

Em 1949 foi construída uma nova versão, o PA-18-90 Super Cub com um motor de 105 Hp. Nos anos 80 apareceu a ultima versão a ser produzida, o Piper PA-18-150 Super Cub

Um modelo em que lhe foram montados flutuadores ficou conhecido como o PA-18S.

Emprego em Portugal

Em 1952 entraram ao serviço do Exército Português 27 aviões Piper Super Cub, utilizados por este ramo essencialmente para observação, controlo e regulação de tiro de artilharia. Previa-se, nessa altura a criação de uma unidade de aviação ligeira no Exército mas, como essa ideia foi abandonada, as aeronaves passaram para a Força Aérea Portuguesa.

Na Força Aérea as aeronaves cumpriram missões de treino de pilotos e de observadores aéreos e missões de ligação. Alguns aviões também serviram nas Formações Aéreas Voluntárias. Foram retirados do serviço em 1976 e cedidos a aeroclubes.

 Emprego no Brasil

Uma versão mais antiga, o J-3, bastante mais modesta, sem flaps, com motor de apenas 65hp, capot recortado e cabeças dos cilindros aparentes, foi empregue em combate pela Força Expedicionária Brasileira durante a Campanha da Itália na Segunda Guerra Mundial. A 1ª Esquadrilha de Observação e Ligação (1ª ELO) apoiava à Artilharia Divisionária brasileira através de vôos de observação utilizando aeronaves Piper Cub.

Sua principal função era a correção de tiro de artilharia, além realizar observações da linha inimiga. O Piper Cub era uma aeronave desarmada, sem blindagem e de pouca velocidade, sendo o fogo antiaéreo inimigo um problema constante para os pilotos.

Foi substituído no final da década de 60 pelo Neiva Regente.


Descrição Fabricante Piper Aircraft Corp/USA

Entrada em serviço 1949
 Missão Observação aérea e ligação
Tripulação 1 piloto
Dimensões Comprimento 6,86 m
Envergadura 10,72 m
Altura 2,79 m Área (asas) 16,42 m²
 Peso Peso total 422 kg
Peso bruto máximo 790 kg
 Propulsão Motores 1 x Lycoming =-290-D2 de 4 cilindrosb
Força (por motor) 135 hp Kn
 Performance Velocidade máxima 215 km/h
 Alcance 735 km
Teto máximo 5750 m




LEARJET - 35









O Learjet 35 é uma aeronave executiva bimotor a jato de pequeno porte com capacidade para transportar 08 (oito) ou 10 (dez) passageiros, fabricada nos EUA pela Learjet, uma divisão da corporação canadense Bombardier, que utilizou como base o projeto do seu antecessor Learjet 25, aproveitanto e aprimorando os seus conceitos amplamente testados e aprovados de sistemas elétricos, hidráulicos e eletrônicos.

O Learjet 35 tem o mérito de ser o primeiro modelo desse fabricante com o conceito "turbofan" integrado com sucesso. Isto representou um enorme salto qualitativo em relação aos modelos anteriores Learjet 23, Learjet 24 e Learjet 25, com a sensível diminuição do nível de ruído na cabine de passageiros e uma significativa redução no consumo de combustível, com reflexos imediatos no volume de vendas dessas aeronaves para o mercado internacional. O Learjet 35 é um dos modelos de jatinhos executivos mais vendidos do mundo, com um bom valor de revenda no mercado paralelo de usados.

O modelo teve sua produção em série iniciada na metade da década de 70 e sua substituição pelo belo e espaçoso Learjet 60 e pelo moderníssimo Learjet 45 ocorreu na metade da década de 90. Nestes vinte anos de produção foram mais de 600 unidades comercializadas.

O diferencial positivo do conceito "turbofan" consiste na adoção da peça complementar "fan" fixada no eixo principal do motor a reação, dotada de palhetas de metal leve e muito resistente que aumentam o fluxo de ar gerado pelo conjunto principal de compressores de alta e baixa pressão.

Acidentes


  Em 4 de novembro de 2007 um Learjet 35 da empresa Really Taxi Aéreo, de Prefixo PT-OVC com apenas duas pessoas a bordo, caiu em cima de 3 casas no bairro da Casa Verde em São Paulo no Brasil matando 10 pessoas. Esse vôo saiu do Aeroporto Campo de Marte e iria para o Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro. A causa do acidente foi um erro no posicionamento do combustível, o que provocou o desequilíbrio do avião. Foram destruídas duas casas sobre as quais o avião caiu e incendiou-se.

 Ficha Técnica

    Velocidade de cruzeiro (85% potência): 950 km/h;
    Comprimento mínimo de pista necessário para decolagem: 1.850 metros (Lotado / dias quentes / tanques cheios);
    Capacidade: 08 (oito) ou 10 (dez) passageiros, conforme a configuração;
    Tripulação: 02 (piloto e co-piloto);
    Teto de serviço: 13.500 metros;
    Alcance máximo ou autonomia (MTOW): 3.200 quilômetros (reserva de 45 minutos);
    Motorização (Potência): 2 X Garret TFE 731 (3.500 Libras / 1588 kg de empuxo cada).

NORTH AMERICAN P-51










P-51 Mustang — foi um caça norte-americano bem sucedido, com um longo alcance, que colocou novos padrões de excelente performance ao entrar em serviço a meio da Segunda Guerra Mundial e continua a ser referido como o melhor caça com motor-piston alguma vez criado. A versão defintiva do caça de um único lugar era movido com um motor Rolls Royce carregando um único suporte com armamento de seis metralhadoras de calibre 50 (12.7mm).

Logo após o ínicio da guerra em 1939, o governo britânico estabeleceu uma comissão de compra com os Estados Unidos, liderada por Sir. Henry Self. Uma das muitas tarefas de Self era organizar a produção de aviões americanos para a RAF. Nesse tempo, as escolhas eram bastantes limitadas: nenhum dos aviões americanos tinha alguma vez atingido os padrões Europeus de aviação, e apenas o Curtiss P-40 Tomahawk tinha chegado perto, e com a fábrica de Curtiss já a funcionar à capacidade máxima, até esse avião estava com um fornecimento curto.

A este ponto, o presidente Holandês Kindleberger, da North American Aviation (NAA), aproximou-se de Self com a visão de vender o novo bombardeiro médio Britânico da NAA's, o B-25 Mitchell. Em vez disso, Self perguntou, se a NAA podia produzir o Tomahawk sobre a licença da Curtiss. (A NAA já fornecia ao seu centro de treino de Harvard tais aviões, mas de qualquer modo não eram utilizados.)

A resposta de Kindleberger, foi que a NAA poderia produzir um melhor avião com o mesmo motor em menos tempo. Deste início improvável viria a ser criado um dos melhores caças de toda a história. A utilização em larga escala da versão C do P-51 Mustang pelas Força Aérea Americana e Real Britânica foi decisiva para o sucesso e continuidade dos bombardeios de longo alcance sobre a europa ocupada, a Alemanha e seus aliados, pois a aeronave além de, com um tanque de combustível extra poder atingir autonomia de vôo que lhe permitia escoltar na ida e na volta os bombardeiros aliados; era superior em combate aos caças alemães, exceção ao Me-262 que só entraria mais tarde no conflito e em número insuficiente para fazer frente aos anglo-americanos. Sendo assim sua capacidade de penetrar profundamente no território inimigo em missões defensivas de escolta ou ofensivas diretas contra os caças alemães em seu próprio território; foi responsável, em boa parte, pelo sucesso aliado em anular a Luftwaffe e prejudicar o poderio industrial à serviço da Alemanha.

Sua utilização foi igualmente decisiva na guerra do pacífico. A partir do segundo semestre de 1944, o P-51 foi utilizado com o mesmo fim: ataques aos caças nipônicos em território inimigo e, principalmente à partir de fevereiro de 1945, como caça de escolta aos bombardeiros americanos, tendo como base principal o aeródromo de Iwojima. Note-se que o último contra-ataque japonês nesta batalha foi um ataque noturno justamente contra o acampamento dos pilotos de P-51.

Seus principais defeitos, a fragilidade na parte inferior ante ao fogo anti-aéreo e a instabilidade de vôo para manobrar quando armado com bombas ou foguetes, fez com que, para ataques terrestres, os aliados ocidentais tanto na europa quanto no oriente, privilegiassem a utilização de outros aviões mais eficientes para este fim, como o Republic P-47 Thunderbolt, de fabricação americana ou o Hawker Tempest de fabricação britânica.

Descrição
Fabricante          North American Aviation
Primeiro voo     1941
Entrada em serviço        dezembro 1943
Missão                 Suporte aéreo, escolta de bombardeiros
Tripulação           1
Dimensões
Comprimento   11.3 m
Envergadura      m
Altura   4.17 m
Área (asas)         21.8 m²
Tara       3,175? kg
Peso total           4,175? kg
Peso bruto máximo       5,490 kg
Motores              1 x Rolls-Royce (Packard) Merlin V-1650-7
Força (por motor)           1,264 kN
Velocidade máxima       704 km/h
Alcance bélico   1600 km
Teto      12,700 m
Armamento Mísseis/
Bombas               2,000 lb (907 kg)
Rockets: 10 x 5 inch (127 mm)