.

.

2 de mai de 2012

Um romance sobre a vida de Santos Dumont no Salão do Livro de Foz









Da Serra da Mantiqueira, no interior de Minas Gerais, à conquista de Paris: a vida fascinante do pai da aviação num romance inesquecível. Os visitantes do 5º Salão Internacional do Livro, a ser  realizado de 4 a 13 de maio em Foz do Iguaçu, terão a oportunidade de conhecer melhor a vida de Santos Dumont, conhecido como “O Pai da Aviação”. A palestra sobre esse brasileiro notável será no domingo, às 17 horas.

Quem falará sobre a vida de Santos Dumont é o escritor gaúcho Alcy Cheiuiche. Sua palestra está marcada para o dia 12, na Praça das Nações em Foz do Iguaçu. O escritor se formou no Brasil, mas estudou também na Alemanha, Bélgica e França, onde aprofundou seus estudos sobre Santos Dumont, na década de 90.
Cheiuiche é autor de dezenas de livros, crônicas, peças e poesias. Entre seus livros destacam-se: A Guerra dos Farrapos, Sepé Tiarajú e Ana Sem Terra. O autor pertence à Academia Rio-Grandense de Letras e foi patrono da Feira do Livro de Porto Alegre e da Semana Farroupilha. Seu livro Sepé Tiarajú é um clássico da Literatura Brasileira, vencedor de prêmios e traduzido no exterior. Ele relata a vida e a obra dos índios guaranis durante a catequização pelos jesuítas.
Paris reverencia até hoje a memória de Santos Dumont, este genial brasileiro que ficou conhecido mundialmente ao dar pela primeira vez a volta na Torre Eiffel com um dirigível. Elegante, habitué dos salões mais sofisticados de Paris, Santos Dumont teve uma vida fascinante, ousando sempre, dando os passos decisivos para o homem poder voar. Nos céus de Paris é a história dessa vida impressionante, com seus sonhos e suas conquistas.
ALBERTO SANTOS DUMONTSantos Dumont projetou, construiu e voou os primeiros balões dirigíveis com motor a gasolina. Esse mérito lhe é garantido internacionalmente pela conquista do Prêmio Deutsch em 1901, quando em um voo contornou a Torre Eiffel com o seu dirigível Nº 6, transformando-se em uma das pessoas mais famosas do mundo durante o século XX. Com a vitória no Prêmio Deutsch, ele também foi, portanto, o primeiro a cumprir um circuito pré-estabelecido sob testemunho oficial de especialistas, jornalistas e populares.
Santos Dumont também foi o primeiro a decolar a bordo de um avião impulsionado por um motor a gasolina. Em 23 de outubro de 1906, ele voou cerca de 60 metros a uma altura de dois a três metros com o Oiseau de Proie' (francês para "ave de rapina"), no Campo de Bagatelle, em Paris. Menos de um mês depois, em 12 de novembro, diante de uma multidão de testemunhas, percorreu 220 metros a uma altura de 6 metros com o Oiseau de Proie III.
Esses voos foram os primeiros homologados pelo Aeroclube da França de um aparelho mais pesado que o ar, e possivelmente a primeira demonstração pública de um veículo levantando voo por seus próprios meios, sem a necessidade de uma rampa para lançamento.LEGENDASAlcy Cheiuiche estará em Foz do Iguaçu(alcy)A vida de Santos Dumont no livro “Nos Céus de Paris”(livro)As estruturas para o Salão do Livro estão sendo preparadas na Praça do Mitre(praça)Santos Dumont e o Parque Nacional do Iguaçu
A história do Parque Nacional do Iguaçu começa no ano de 1916, com a passagem por Foz do Iguaçu de Alberto Santos Dumont, o pai da aviação. A área pertencia ao uruguaio Jesus Val. Santos Dumont intercedeu junto ao Presidente do Estado do Paraná, Affonso Alves de Camargo, para que fosse desapropriada e tornada patrimônio público.

No dia 28 de julho, através do decreto nº 63, foi declarada de utilidade pública com 1008 hectares e somente em 1939, por decreto do Presidente Getúlio Vargas, a área passou a ter 156.235,77 hectares.Em 1994 os decretos nº 6506 de 17 de maio e de nº 6587 de 14 de junho consolidam e ampliam a área do Parque Nacional dando-lhes os limites propostos pelo chefe da seção de Parques Nacionais; hoje os limites atuais são 185.000 hectares.
Trecho do livro Nos Céus de ParisO homem de terno escuro ouviu um repicar de sinos, mas não se moveu da sua posição. Confortável ali na areia e no seu primeiro voo em balão, voltou a sentir uma nítida sensação de fome. Não comera quase nada nos últimos dois dias, sozinho no seu quarto de hotel. Mas não precisava mover-se dali. Ele e o francês, Mon sieur Machuron, haviam levado na barquinha um cesto com iguarias: ovos duros, vitela e frango frios, queijo, frutas, doces, champagne no gelo, café e licor. Nada mais delicioso do que um almoço acima das nuvens. Que sala de refeições ofereceria melhor decoração? O calor do sol, pondo as nuvens em ebulição, fazia-as lançar em redor da mesa jatos irisados de vapor gelado, comparáveis a grandes feixes de fogos de artifício. A neve, como por milagre, espargia-se em todos os sentidos, em lindas e minúsculas palhetas brancas.
O jovem acabava de beber um cálice de licor quando uma cortina desceu sobre o cenário de sol, nuvens e céu azul. O barômetro elevou-se rapidamente cinco milímetros, indicando uma brusca ruptura do equilíbrio e uma descida precipitada. O balão, sobrecarregado com muitos quilos de neve, caía rapidamente. Sentado na areia, na longínqua praia brasileira, o homem sorriu. Nada faria para impedir a queda.O aviãozinho vermelho roncou novamente sobre sua cabeça e avançou resoluto em direção ao porto. Com os olhos esbugalhados, o homem assistiu ao bombardeio. Voando baixo sobre a cidade de Santos, o avião deixou cair suas cargas explosivas. A metralhadora voltou a matraquear, entre os estrondos de dinamite. Ouviu-se bem perto o rugido de um canhão. Desesperado, o homem tapou os olhos com os braços e deitou-se na areia em posição fetal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário